quarta-feira, 3 de novembro de 2010

182ª Conversa - Uma das minhas melhores amigas...

... está muito doente e infelizmente ainda não está fora de perigo. Soube-o quase por acaso. Mas como diz o ditado, nada acontece por acaso, não é? Mas um susto destes, um acontecimento desta dimensão deixa-nos a pensar... E eu que já não estava com ela há algum tempo! Hoje fui visitá-la ao hospital e ela disse-me que eu andava desaparecida. Eu, em tom de brincadeira, perguntei-lhe se era preciso ela arranjar uma situação destas apenas para eu a ir visitar... Ela riu. E eu questionei-me interiormente: será que é preciso acontecer alguma coisa de grave para darmos valor? Porque é que nunca temos tempo, mas quando algo acontece o tempo surge de imediato?!

As minhas orações estão com ela...
e eu também estarei.

3 comentários:

DE MÃOS DADAS disse...

Lamento por a sua amiga, mas de tudo isto, tiro uma lição para mim, que apesar de tudo tenho que arranjar tempo para amar mais e melhor.
Beijnho da Utilia.

Maria Clarinda disse...

Normalmente a vida prega-nos destas partidas...
A vida agitada que levamos, o corre corre, o próprio afastamento do outro, o é hoje, amanha .... e o tempo vai passando sem nos dar-mos conta. Até que um dia, tal e qual como aconteceu, por uma força desse mesmo tempo, somos impelidos a ir a um lugar sem sabermos porquê, e, as noticias caem em nós com uma bomba, revirando tudo à nossa volta.
Mas se aconteceu assim , foi porque teve 1que ser, resta-nos a nós tentarmos recuperar esse3 tempo.

A tua Amiga vai melhorar, vai atravessar esta fase crítica, vai
reorganizar a sua vida. É fundamental sim, as nossas orações e a nossa presença, e isso já os estás a fazer. E, assim ...os verdadeiros amigos estão sempre presentes, mesmo que o tempo tenha corrido.
Força para este momento, para que lho possas também transmitir...e....sabes que estou contigo, dando-te a minha também.

Sara S. disse...

Concordo com os comentários anteriores. Às vezes a rotina e a pressa fazem com que esses pequenos mas grandes aspectos sumam da nossa mente atulhada. Há que arranjar um tempo para lhes dar valor, por mais pequeno que seja, para que as casualidades não se encarreguem por si disso.
Que a amiga em questão recupere em breve :)
Beijinhos