quinta-feira, 20 de maio de 2010

153ª Conversa - Violência II...

Existem vários tipos de violência, que são maioritariamente divididos em violência física e psicológica. A violência física pode deixar algumas marcas na pele, mas a verdade é que a violência psicológica pode magoar tanto ou mais... e é muito mais dificil de explicar, de catalogar, e até mesmo denunciar. Mas não deixa por isso de ser violência. E o incrível é que existem pessoas que são agressores e não se apercebem... É mesmo preciso não ter consciência do que se diz, do que se faz e das consequências que provocam...

... E assim se vão fazendo cicatrizes.

8 comentários:

Fontez disse...

infelizmente, tens razão!

Fé.

abraço apertado dear Cátia.

Sara S. disse...

Como foi dito, seja de que forma for, todo o acto violento provoca mazelas, deixa marcas, por vezes de forma intencional, de outras sem propósito. Mas o espírito é forte para lidar com isso, com mais ou menos tempo de luta. Porém, o melhor seria que todos possuissem uma consciência digna, para que não se principiassem sequer situações dessas, mas é muito díficil isso acontecer. Há que sobreviver, aprender e viver. Beijinhos

Patrícia disse...

Acho que quase todos nós somos agressores. Temos é que conseguir ver que podemos também criar cicatrizes aos outros e não só "ser cicatrizados".

Beijinho mana

Maria Clarinda disse...

Minha querida, ler esta tua conversa, deixou-me um pouco de coração apertado...
Eu, sou da tua opinião, concordo que a violência psicológica é por vezes muito mais violenta que a física. Infelizmente estes predadores,
tem sim noção do que estão a fazer, pois fazem-no com um fito, conseguir de uma forma..aquilo que não tem de outra.

Cabe-nos a nós lutar contra, as nossas forças acredita que o permitem...se estivermos suficientemente fortes, e convictos de que o "basta" é a palavra que queremos usar...e tentar remover essas cicatrizes.
Eu estou aqui...acredita que pode não parecer, mas sou óptima "cirurgiã" plástica. Um beijo de carinho e ternura.

AnaMar (pseudónimo) disse...

¸¸♥*•♪♫•*♥•♪♫•*¨*•.¸¸♥
Saudades tuas.

Acho-te forte o suficiente para enfrentares essa violência.

De qualquer modo, mesmo que pareça ausente..estou por aqui, por aí. Sempre.
Um beijo
¸¸♥*•♪♫•*♥•♪♫•*¨*•.¸¸♥

Sónia Pessoa disse...

Apesar de andar longe, quis passar para te deixar um beijinho, porque apesar de tudo, ou nada, não me esqueci de ti... beijinho, Sónia

Brancamar disse...

É verdade Cátia,

E assim se vão fazendo grandes cicatrizes ao longo do tempo, às vezes destruidoras, capazes de envolver a vítima e a aprisionar em lume brando, se não se apercebe a tempo.
Acho mesmo este tipo de violência muito mais maquiavélica que a violência física, essa toda a gente vê e pode denunciar, a psicológica não é visível, nem deixa muitas vezes a prova capaz de a pôr a claro.

Às vezes passo, um dia apanhei o teu blog a meio e propus-me lê-lo todo, apercebi-me que a disponibilidade de tempo não mo permitia, talvez um dia possa voltar atràs, por isso decidi ser mais presente a comentar e entender para já o aqui e agora.

Beijinhos
Branca

DE MÃOS DADAS disse...

Só quero deixar aqui um beijinho
E coragem
Utilia